ÚLTIMA HORA

JUNTA METE PÉS PELAS MÃOS .E É ERROS ATRÁS DE ERRO!

 DÁRA VONTADE DE RIR? OU SERÁ ESFORÇO PARA NÃO CHORAR? A nossa Junta da União de Freguesias de Grijó/Sermonde, parece padecer

de algumas dificuldades que se acabam por refletir nos erros e falhas que começam a denotar, de forma clara ,algum ,se não muito, desnorte e falta de preparação, isto para não dizer algo mais.

Vem isto na sequencia do ultimo fornecimento da informação escrita do Sr. Presidente da Junta ,sobre a atividade da mesma ,e da situação financeira, ora como se sabe as contas foram apresentadas com erros, de soma e calculo, o que se não justifica, uma vez que estas deveriam passar pelo Presidente, pelo Tesoureiro, que não sabemos quem é, pelo secretário, que também desconhecemos quem seja, pelos funcionários administrativos, se não todos, o mais responsável e até porque não pelo Contabilista.

Não deve ter passado por nenhum deles e como tal, uma verba que somada daria 120.939,42 nas referidas contas aparecia com 119.138,67 ou seja com uma diferença de 1.800,75.

Errar é Humano e desculpa-se, mas o mais irritante é que agora o Senhor Presidente da Junta envia uma carta ao ex-presidente da Junta, carregadinha de falhas, erros, e até a cheirar a gozo, o mesmo acontecendo para com os restantes membros da Junta.

Então não é que o Rogério Tavares recebe uma carta onde lhe chamam Tesoureiro, o que ele nunca foi, então não é que a referida carta diz que deve consultar o processo de auditoria, que se encontra a decorrer referente aos anos de 2005 a 2009, quando a auditoria não se refere a esse período. E se tal não bastasse ele teria que consultar um processo sem que o pudesse trazer ou lhe fossem colocadas questões objetivas sobre o mesmo.

Parece mentira, mas é verdade, e lamenta-se que os demais elementos do ex-executivo, também tivessem recebido cartas onde eram indicados como eleitos do executivo entre 2005 e 2009.

Tanta asneira junta ,leva-nos a pensar que o atual executivo quer mesmo analisar as contas desse período 2005-2009, como bem indicava na Assembleia o Deputado da CDU Francisco Borges, ou se essa não for a real intenção, então isto cheira a asneira da grossa, com sabor a algo mais, que nos abstemos de dizer.

Para ser, é necessário saber, para saber, é necessário entender, e para exercer, não basta querer.

Tirem as vossas conclusões.

Já agora juntamos cópia da carta que a Junta enviou e como seria bom que se retratasse.